A reprodução dos artigos assinados por pesquisadores do Cepea é permitida desde que citados: o nome do(a) autor(a), sua qualificação profissional e filiação ao Cepea e data da publicação nesta página.

Equipe Pecuária: muito além do Indicador

O Cepea é um Centro de Pesquisas ligado ao Departamento de Economia, Administração e Sociologia do campus da Universidade de São Paulo (USP) em Piracicaba, a Esalq, e constitui um grupo registrado no CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Desde 1982, desenvolve pesquisa aplicada e estudos nas áreas de economia, sociologia e administração, de forma a atender demandas de instituições públicas e privadas por serviços relacionados à área econômica do agronegócio.

 

O Centro produz e difunde conhecimento de base científica, dando suporte não apenas às cadeias produtivas agroindustriais diretamente acompanhadas, mas também aos agentes dos setores de alimentos, fibras e bioenergia, bem como formuladores de política.

 

É constituído por professores da Esalq, pesquisadores (mestres e doutores) de diferentes universidades, com conhecimentos em áreas variadas – como agronomia, economia, administração, engenharia de produção, estatística e contabilidade –, profissionais de comunicação, de tecnologia da informação, administração e por estagiários de graduação da Esalq/USP e de outras escolas. Também recebe pesquisadores de universidades e instituições do exterior, com as quais realiza uma série de estudos.

 

Internamente, o Cepea organiza-se em grupos, cada um deles atuando sob a coordenação de Professores do Departamento de Economia, Administração e Sociologia Rural da Esalq. Dentre as primeiras equipes do Cepea está a da Pecuária, reconhecida nacional e internacionalmente pela divulgação – há quase 30 anos, e de forma ininterrupta – do Indicador do Boi Gordo CEPEA/B3, referência para liquidação financeira do contrato de mercado de futuro do boi gordo na B3 e amplamente utilizado por agentes do setor pecuário.

 

No entanto, a Equipe de Pecuária vai muito além da elaboração do Indicador CEPEA/B3, que tem como base dados levantados no estado de São Paulo. De segunda a sexta feira, a Equipe, formada atualmente por 11 profissionais – que, por sua vez, recebem suporte de outros grupos do Cepea –, levanta informações junto a pecuaristas, agentes de frigoríficos e de escritórios também de outros 11 estados da federação, além de São Paulo – são eles: Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Tocantins, Pará, Rondônia, Bahia e Acre –, calcula e divulga preços médios de machos e fêmeas para abate e de animais para reposição (bezerro e boi magro) em 24 importantes praças pecuárias.

 

O fato de o levantamento de informações regionais nascer praticamente junto com o Indicador faz com que o banco de dados formado pela Equipe também seja longo, possibilitando análises importantes. Algumas regiões dispõem de valores desde a década de 1990. No caso de praças do Paraná, Mato Grosso do Sul e de Minas Gerais, o banco de dados completa 26 anos em 2021. A série do Indicador do bezerro ESALQ/BM&FBovespa, que tem como base informações levantadas em Mato Grosso do Sul – e, assim como o Indicador do boi gordo, tem apoio financeiro da Bolsa – é divulgada desde 2000. Em 2001, Mato Grosso e Goiás passaram a fazer parte dos levantamentos da Equipe de Pecuária do Cepea, e em 2002, Rio Grande do Sul e Rondônia foram os novos estados incorporados nas pesquisas da Equipe.

 

Em 2006, depois de alguns anos de estudos, a Equipe passa a divulgar preços no Tocantins, e em 2010, outros três estados são incorporados no levantamento: Bahia, Acre e Pará.

 

Além dos animais para reposição e para abate, a Equipe de Pecuária do Cepea também mantém levantamento e divulgação sistemáticos de preços da carne bovina (carcaça casada de boi, traseiro, dianteiro e ponta de agulha) negociada no mercado atacadista da Grande São Paulo. Neste caso, o banco de dados inicia-se em 2001.

 

Todas essas informações e banco de dados produzidos pela Equipe de Pecuária são bases consistentes para realização de análises periódicas disponibilizadas para agências de notícias nacionais e internacionais, para agentes de mercado que colaboram com o fornecimento de informações de mercado ao Centro de Pesquisas e também para a mídia, de modo geral.

 

Além das pesquisas periódicas de mercado, outras, pontuais, são desenvolvidas pela Equipe, no intuito de atender a demandas específicas de diferentes naturezas ou mesmo para ampliar o conhecimento sobre um determinado aspecto do setor pecuário. Neste caso, geralmente os resultados são divulgados em formato técnico e também científico, mostrando constante atualização dos pesquisadores que fazem parte do grupo.

 

As informações e o conhecimento gerados por outras equipes do Cepea, que estudam outros aspectos da cadeia da carne bovina, como o mercado de insumos e os custos de produção, ou outras cadeias agroindustriais, como a da carne suína e de grãos, somam-se às informações da Equipe de Macroeconomia, possibilitando análises complementares daquelas produzidas pela Equipe de Pecuária Bovina que muito enriquecem os resultados obtidos e apresentados pelo Cepea.

 

Um outro aspecto muito importante desenvolvido pela Equipe de Pecuária de corte e que contribui fortemente para disseminação de conhecimento é a formação profissional. Assim como acontece em outras equipes do Cepea, periodicamente, o Grupo oferece oportunidades de estágios para estudantes da graduação e da pós-graduação, tanto da Esalq/USP quanto de outras instituições próximas. Estima-se que, desde 1994, já tenham passado pela Equipe de Pecuária mais de 300 pessoas que acompanharam de perto os procedimentos de coleta e processamento de dados, bem como elaboração de análises de resultados produzidos pelo Centro de Pesquisa. Justamente pela experiência desenvolvida no tempo que esteve no Cepea, muitos desses profissionais passaram a atuar posteriormente em importantes cargos do próprio setor, se destacando em bancos, universidades, governo, entre outros, seja no Brasil ou no exterior.

04/10/2021 - Com embarque recorde na parcial do ano, exportação brasileira de frutas pode, finalmente, atingir US$ 1 bi em 2021 - Fernanda Geraldini 27/09/2021 - Quebra da produção e demanda maior elevam preços do etanol na safra 21/22 - Ivelise Rasera Bragato Calcidoni 14/09/2021 - Mudanças no mercado mundial de mandioca e derivados e oportunidades para o Brasil - Fábio Isaias Felipe 31/08/2021 - Alto preço de fertilizante desafia produtor - Mauro Osaki 23/08/2021 - Por que não consumimos mais frutas e hortaliças? - Margarete Boteon 26/07/2021 - Contratos futuros de milho, precificação regional e gestão de riscos - Lucilio Rogerio Aparecido Alves 12/07/2021 - Risco de apagão e racionamento de energia elétrica: de volta para o futuro? - Heloisa Lee Burnquist e Danielle Mendes Thame Denny 14/06/2021 - Agronegócio brasileiro: importância e complexidade do setor - Gabriel Costeira Machado 19/04/2021 - Segurança alimentar e o papel do Brasil na oferta mundial de alimentos - Andréia Adami 07/04/2021 - Qual é a diferença entre o Indicador do boi gordo CEPEA/B3 e os preços regionais do Cepea? - Gabriela Garcia Ribeiro 18/03/2021 - Mercado de trabalho e pandemia: agronegócio evidencia resiliência frente a crises - Felipe Miranda de Souza Almeida 22/02/2021 - O leite no Cepea e o Cepea no leite - Natália Grigol 11/02/2021 - Mercado de Commodities Agrícolas: um novo Boom? - Geraldo Barros 01/02/2021 - Variações de preços de grãos, fibras e amidos: do campo ao mercado varejista - Lucilio Rogerio Aparecido Alves 21/01/2021 - Perspectivas macroeconômicas para o agronegócio em 2021 - Geraldo Barros
voltar
Preencha o formulário para realizar o download
x
Deseja receber informações do Cepea?

Digite este código no campo ao lado