A reprodução dos artigos assinados por pesquisadores do Cepea é permitida desde que citados: o nome do(a) autor(a), sua qualificação profissional e filiação ao Cepea e data da publicação nesta página.

"O combate às perdas é uma decisão técnico-econômica"

Essas foram as sábias palavras do coordenador do Cepea, Prof. Dr. Geraldo Sant’Ana de Camargo Barros, em entrevista à Revista Hortifruti Brasil, em agosto de 2017, quando avaliava as perdas no setor de frutas e hortaliças. “O grau de perdas observado resulta das características do produto, da tecnologia utilizada na comercialização e, também, do cálculo econômico dos agentes de comercialização. O custo de zerar as perdas com certeza é proibitivo. Pode ser mais econômico um menor esforço no controle de perdas.” Barros alertou também que é necessário certo cuidado ao associar superficialmente a ocorrência de perdas à ineficiência da cadeia.

 

A visão de ineficiência da cadeia para o combate das perdas é muito atrelada a questões técnicas na produção, no pós-colheita, nas dificuldades de armazenamento, na embalagem ineficaz e nas estruturas de comercialização deficientes.

 

Essa visão é importante, mas não permite uma avaliação mais completa sobre a avaliação das perdas. Uma forma interessante para avaliar esse tema é tratá-lo como uma externalidade negativa da cadeia, que ocorre quando os agentes econômicos interagem no mercado, gerando malefícios para indivíduos alheios ao processo. A poluição do ar e o lixo são exemplos de externalidades negativas. Por essa ótica, as perdas de alimentos na cadeia de produção de alimentos resultam não só preços mais elevados ao consumidor final e uma oferta mais restrita como também um aumento do impacto ambiental, já que houve o uso de recursos para uma produção excedente que não será consumida.

 

O Prof. Stuart Wayne Mounter, da University of New England (Austrália), e outros pesquisadores dessa universidade usam o conceito de externalidade para o desperdício de alimentos. No geral, os autores avaliam que o setor produtivo tem que produzir mais para cobrir todas as incertezas, riscos e exigências da cadeia de produção e comercialização dos alimentos. Sem incertezas, os participantes da cadeia teriam conhecimento perfeito de quanto de cada tipo, grau e qualidade do alimento seria demandado e isso reduziria muito as perdas/desperdícios dos alimentos.

 

Os autores australianos, bem como o Prof. Geraldo Barros, expõem um ponto importante nos esforços em reduzir o desperdício de alimentos, que terão custos e benefícios para os agentes da cadeia. Assim, a solução da redução de desperdícios ocorrerá até que os benefícios desses esforços se igualem aos custos. Este ponto leva à discussão de que há um nível ótimo de combate às perdas dentro do ambiente privado.

 

Numa perspectiva de avaliação econômica no combate às perdas, é importante o processo de inovação contra desperdícios com tecnologias econômicas ao produtor e aos agentes de comercialização. Além disso, a integração produtor e varejo e o equilíbrio entre as exigências na qualidade/produção dos alimentos, além do maior fluxo de informação, também são ações importantes em prol da redução das perdas/desperdícios, pois diminuem as incertezas e as assimetrias no processo de comercialização.

 

No entanto, a solução privada, por essa ótica econômica, não consegue reduzir todos os efeitos colaterais do desperdício de alimentos, minimizando o custo social, ou seja, o total de custos para a sociedade em geral. As ações públicas-privadas e/ou governamentais são importantes, desde que não aumentem demasiadamente os custos, reduzindo a oferta e aumentando os preços excessivamente os preços ao consumidor ou, no extremo, inviabilizem economicamente o processo produtivo, resultando na cessação da produção. Programas como o banco de alimentos, a promoção de frutas e hortaliças fora do padrão, a regulamentação do padrão dos alimentos e de seu processo produtivo, entre outros, podem minimizar esse “custo social” produzido pelo desperdício. Haverá, então, um volume ótimo de perdas, que poderá ser reduzido à medida que mais informação e tecnologia forem geradas e disponibilizadas aos agentes econômicos. 

04/10/2021 - Com embarque recorde na parcial do ano, exportação brasileira de frutas pode, finalmente, atingir US$ 1 bi em 2021 - Fernanda Geraldini 27/09/2021 - Quebra da produção e demanda maior elevam preços do etanol na safra 21/22 - Ivelise Rasera Bragato Calcidoni 14/09/2021 - Mudanças no mercado mundial de mandioca e derivados e oportunidades para o Brasil - Fábio Isaias Felipe 31/08/2021 - Alto preço de fertilizante desafia produtor - Mauro Osaki 23/08/2021 - Por que não consumimos mais frutas e hortaliças? - Margarete Boteon 17/08/2021 - Equipe Pecuária: muito além do Indicador - Shirley Martins Menezes Svazati 26/07/2021 - Contratos futuros de milho, precificação regional e gestão de riscos - Lucilio Rogerio Aparecido Alves 12/07/2021 - Risco de apagão e racionamento de energia elétrica: de volta para o futuro? - Heloisa Lee Burnquist e Danielle Mendes Thame Denny 14/06/2021 - Agronegócio brasileiro: importância e complexidade do setor - Gabriel Costeira Machado 19/04/2021 - Segurança alimentar e o papel do Brasil na oferta mundial de alimentos - Andréia Adami 07/04/2021 - Qual é a diferença entre o Indicador do boi gordo CEPEA/B3 e os preços regionais do Cepea? - Gabriela Garcia Ribeiro 18/03/2021 - Mercado de trabalho e pandemia: agronegócio evidencia resiliência frente a crises - Felipe Miranda de Souza Almeida 22/02/2021 - O leite no Cepea e o Cepea no leite - Natália Grigol 11/02/2021 - Mercado de Commodities Agrícolas: um novo Boom? - Geraldo Barros 01/02/2021 - Variações de preços de grãos, fibras e amidos: do campo ao mercado varejista - Lucilio Rogerio Aparecido Alves
voltar
Preencha o formulário para realizar o download
x
Deseja receber informações do Cepea?

Digite este código no campo ao lado